terça-feira, 12 de abril de 2011

Lançado em Porto Alegre livro "Mãos, meninas, mulheres"





O artesanato como expressão da cultura e, simultaneamente, como elemento de transformação social, foi o ponto de partida para o projeto "Mãos, Meninas, Mulheres". A iniciativa, que compreende um livro e uma exposição fotográfica e de peças artesanais, já encerrada, conta com o patrocínio da Lojas Renner, via Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, com produção da Quattro Projetos e Alma da Palavra. Na foto acima, a equipe de produção: Ita Kirsch, Ricardo Bueno, Luciane Trindade, Jair Kievel e Flavio Enninger.

O jornalista e escritor Ricardo Bueno, autor do livro, viajou para 15 cidades de dez diferentes estados brasileiros, para contar a história de mulheres que fazem do artesanato uma ferramenta de geração de renda e, principalmente, de inclusão social. “Uma vez selecionadas as diferentes experiências protagonizadas por mulheres, iniciamos os roteiros da viagem, percorrendo literalmente de sul a norte do território brasileiro. Foram mais de 30 trechos, entre deslocamentos de avião, de ônibus ou de van, e mesmo de táxi”, conta Bueno.

Feitas as entrevistas, foi a vez do fotógrafo Ita Kirsch e sua equipe se deslocarem para retratar em imagens o trabalho das instituições. As histórias narradas pelas protagonistas do livro acabaram por transformar, também, a vida do autor, conforme ele mesmo narra: “Em cada parada do roteiro, vivenciei uma miríade de emoções. Deparei-me com olhares, gestos, histórias, sonhos, realizações, esperanças renovadas – e trabalho, muito trabalho. Em cada cidade, conheci mulheres de fibra, força e fé. Mulheres que já fizeram muito, ainda fazem e muito farão. Mulheres que se transformam dia a dia e que seguirão transformando realidades – as suas e as do seu entorno”.

Esses relatos estão reunidos nas mais de 150 páginas do livro "Mãos, Meninas, Mulheres – A cultura como ferramenta de inclusão social", publicação que foi lançada na quinta-feira, 24 de março, no BarraShoppingSul, em Porto Alegre/RS, onde foi realizada, de 24 a 27 de março, uma exposição de fotos e mostra de peças artesanais feitas pelas mulheres que deram seus depoimentos.

O artesanato como fonte de renda Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, o artesanato nacional movimenta anualmente cerca de R$28 bilhões, ou 2,8% do PIB do país, indicador que equivale ao da indústria automobilística. Números recentes apontam que cerca de 8,5 milhões de pessoas trabalham na produção do artesanato no país, e nada menos que 87% delas são mulheres. É uma atividade que não apenas contribui para o aumento da produção da riqueza, como também impacta no desenvolvimento sustentável de regiões com potencial produtivo e que muitas vezes se encontram à margem do desenvolvimento.

O Instituto Lojas Renner é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIP – que busca a inserção da mulher no mercado de trabalho por meio do investimento em projetos de geração de trabalho e renda. Fundado em 9 de junho 2008, é responsável por gerir os investimentos sociais da Lojas Renner, levando desenvolvimento para as comunidades onde a companhia está presente.

Alinhado com a Meta 3 da Declaração do Milênio das Nações Unidas - promover a igualdade entre os gêneros e dar mais poder às mulheres –, em pouco mais de dois anos o Instituto já investiu mais de R$ 6,5 milhões em 155 projetos, em 13 estados, que beneficiaram mais de 6,9 mil pessoas, das quais 4.327 são mulheres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário